Você está aqui : Home » Final dos tempos, Últimas Notícias » Eventos de extinção em massa: um mistério de 200 milhões de idade

Por  em 13.10.2011 as 16:00

Cinco vezes na última metade de um bilhão de anos, extinções em escala global dizimaram uma fração significativa da vida na Terra – e cada uma dessas extinções apresenta um grande quebra cabeças.

A mais recente e mais familiar é a extinção que dizimou os dinossauros, entre os períodos Cretáceo e Terciário, cerca de 65 milhões de anos atrás.

Mas, antes disso, 205 milhões de anos atrás, foi o “Evento do Fim do Triássico”, que preparou o palco para o Período Jurássico, que viu a ascensão para a proeminência dos dinossauros.

Exatamente o que aconteceu que matou metade das espécies do planeta, no entanto, permanece um mistério.

Na costa de Somerset, no Reino Unido, pesquisadores americanos estão tentando desvendar esses mistérios.

Paul Olsen era uma das poucas pessoas que acreditava que um impacto gigante de um objeto a partir do espaço começou a extinção, bem como o impacto que muitas pessoas acreditam que causou a extinção dos dinossauros.

“Eu argumentava que tinha sido um impacto com base no padrão de extinção, que se parece muito com o do Período Cretáceo/Terciário, e porque eu descobri uma ‘anomalia de irídio’”, explicou Paul.

“Irídio é muito raro na crosta terrestre, mas relativamente abundante em materiais extraterrestres, então uma abundância desse elemento sugere que houve um impacto naquela época”, sugeriu.

Mas a ciência evoluiu. Outros pesquisadores descobriram que fluxos de lava enormes de uma onda de atividade vulcânica no Oceano Atlântico também ocorreram exatamente no mesmo tempo. E Paul encontrou outras anomalias de irídio em alturas diferentes, nas proximidades.

“Não foi tão simples explicar as extinções como o resultado de um impacto gigante, mas mais simples de explicar como resultado dos fluxos de lava gigante”, disse Paul.

Embora possa ter tido um efeito sobre a vida na Terra, o impacto não parece alinhar no tempo com a atividade vulcânica e a extinção. Mas, como é tão frequentemente o caso com o registro de eventos sobre a superfície da Terra, mais dados são necessários, e Paul está martelando pedaços dele, levando as amostras de volta para os EUA para análise.

Gareth Collins, especialista em impacto, diz que qualquer um que tentar desvendar os detalhes de eventos de extinção, “se forem honestos consigo mesmos, diriam que nunca vamos saber”. É tudo demasiado complicado para descobrir a partir de registro fóssil.

Em contraste com o princípio orientador da ciência, qualquer suposição não leva a predições testáveis.

“Acho que estamos ainda um pouco distantes de entender exatamente qual foi a causa da extinção em massa, e responder a questão mais geral de saber se as extinções em massa têm uma causa comum ou se cada uma é um evento que precisa ser considerado isoladamente”, disse ele.

A extinção entre Cretáceo e Terciário, por exemplo, mostra mais uma vez uma grande quantidade de atividade vulcânica, e prova irrefutável de um impacto gigante.

Pode ser que todas as “cinco grandes” extinções envolveram tanto um clima interrompido devido a emissões vulcânicas, como alguma coisa caindo na Terra? Esses mistérios perdurarão por algum tempo.

Porém, é importante estudá-los. Seria interessante entendermos eventos de extinção em massa, pois eles pontuam a evolução e são tão importantes, se não mais importantes, do que o tipo de mudanças incrementais que ocorrem entre essas extinções. Eles “limpam a lousa” e permitem que a próxima era comece e as espécies dominantes evoluam.[BBC]

[ hypescience ]

Deixe seu comentário

© 2011 Portal Ufo-Gênesis – ONG Ufogenesis · Desenvolvido por Internet Media - Tecnologia WP